Vitor Pereira Jr
Contos, Crônicas e Versos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Meu Diário
26/09/2017 15h19
Paz!

     Hoje, 26 de setembro, é comemorado o aniversário de nascimento do americano Thomas Eliot, poeta, dramaturgo e Prêmio Nobel de Literatura.

     Um de seus mais famosos, profundos e complexos poemas, The Waste Land (Terra Desolada, nas traduções brasileiras mais recentes), com seus 433 versos, e publicado em 1922, é considerado hoje um dos mais importantes e influentes poemas do século XX.

     Para tempos como o nosso começo de século, deixo aqui os últimos versos de T.S. Eliot em Terra Desolada:

 

          “Sentei-me junto às águas

A pescar, tendo a árida planura atrás de mim

Chegarei pelo menos a por minhas terras em ordem ?

London Bridge is jailing down falling down falling down

Poi s’ascose nel foco che gli affina

Quando fiam uti chelidon... ó andorinha andorinha

Le Prince d‘Aquitaine d la tour abolie

Com estes fragmentos escorei minhas ruínas

Why then lie fit you. Hieronymo’s mad againe.

Datta. Dayadhvam. Damyata.

          Shantih shantih shantih”

 

     Estes dois últimos versos, em sânscrito, extraídos do Brihadaranyaka Upanishad, são traduzidos por: “Doação. Compaixão. Autocontrole. Paz! Paz! Paz!”

     Shantih, a paz interior que ultrapassa o entendimento. Bem que precisamos mesmo dela em tempos como o nosso.


Publicado por Vitor Pereira Jr em 26/09/2017 às 15h19
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras