Vitor Pereira Jr
Contos, Crônicas e Versos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Meu Diário
26/09/2017 15h19
Paz!

     Hoje, 26 de setembro, é comemorado o aniversário de nascimento do americano Thomas Eliot, poeta, dramaturgo e Prêmio Nobel de Literatura.

     Um de seus mais famosos, profundos e complexos poemas, The Waste Land (Terra Desolada, nas traduções brasileiras mais recentes), com seus 433 versos, e publicado em 1922, é considerado hoje um dos mais importantes e influentes poemas do século XX.

     Para tempos como o nosso começo de século, deixo aqui os últimos versos de T.S. Eliot em Terra Desolada:

 

          “Sentei-me junto às águas

A pescar, tendo a árida planura atrás de mim

Chegarei pelo menos a por minhas terras em ordem ?

London Bridge is jailing down falling down falling down

Poi s’ascose nel foco che gli affina

Quando fiam uti chelidon... ó andorinha andorinha

Le Prince d‘Aquitaine d la tour abolie

Com estes fragmentos escorei minhas ruínas

Why then lie fit you. Hieronymo’s mad againe.

Datta. Dayadhvam. Damyata.

          Shantih shantih shantih”

 

     Estes dois últimos versos, em sânscrito, extraídos do Brihadaranyaka Upanishad, são traduzidos por: “Doação. Compaixão. Autocontrole. Paz! Paz! Paz!”

     Shantih, a paz interior que ultrapassa o entendimento. Bem que precisamos mesmo dela em tempos como o nosso.


Publicado por Vitor Pereira Jr em 26/09/2017 às 15h19
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/09/2017 20h18
Um texto só de vogais

     A todos os lusófonos amantes da literatura e aos amantes de brincar com seu idioma em geral, apresento a seguir este texto, o único da língua portuguesa escrito só com vogais, e que contém ainda a maior frase da língua portuguesa escrita só com vogais. Após o texto há uma nota explicativa, pois muitas palavras não são de uso comum. Eis o texto:

— Eia, iaiá!

— Oi, ioiô! E aí?

— Iaiá, ó a aiôuea aí.

— É. Ao Aoí a aiôuea.

— Aê, iaiá, o Aoí ia a Uauá, ao Oio, a Oiã, ou a Aião?

— Ai, ai! O Aoí ia a Uauá, ô. O Aoá ia a Oiã e a Aião. Aoí é uaiuai e iaô, aí ia a Uauá, ué.

— E a Aião?

— O iaô uaiuai Aoí ia a Uauá e a Aião.

— O Aoí é iaô, é?

— É, uai. E Oiá é a aia.

— É? Uau! E o Aoá?

— Ui...! Aoá é auê.

— Ei! E eu, Iaiá?

— Uai! O ioiô é o ó!...

— Ê, iaiá...!

— Ê, ioiô...!

 

NOTAS:

 

GLOSSÁRIO:

Aiôuea: gênero de planta no Brasil

Aoí: nome bíblico (Cf. 1 Cron 11)

Uauá: município na Bahia

Oio: região na Guiné-Bissau

Oiã: região em Portugal

Aião: região em Portugal

Aoá: nome bíblico (Cf. 1 Cron 8 e 2 Samuel 23: 9)

Uaiuai: etnia indígena do Brasil

Iaô: em religiões afrobrasileiras, é o filho-de-santo já iniciado

Oiá: Orixá dos ventos e raios, também conhecida como Iansã

Aia: tutora

Auê: (gíria) confusão, bagunça

Ó: expressão popular do nordeste do Brasil, diminutiva de “Ó do Borogodó”, e expressa sentimento superlativo de uma qualidade.

 

VERSÃO COMPARATIVA:

      A princípio, o texto acima, só de vogais, pode parecer bastante estranho devido ao pouco uso e ao regionalismo de certas palavras. Mas permitam-me ainda escrever o mesmo texto, só que com palavras conhecidas. O leitor se certificará de que, após esta comparação, o apresentado texto de vogais fica perfeitamente inteligível. Eis uma versão que substitui as palavras acima usadas:

— Eia, Maria!

— Oi, João! E aí?

— Maria, olha a hortelã aí.

— É. Ao Pedro a hortelã.

— Aê, Maria, o Pedro ia a Aracaju, à Paraíba, a Terezina, ou a Belém?

— Ai, ai! O Pedro ia a Aracaju, ô. O José ia a Terezina e a Belém. Pedro é paraense e seminarista, aí ia a Terezina, ué.

— E a Belém?

— O seminarista paraense Pedro ia a Terezina e a Belém.

— O Pedro é seminarista, é?

— É, uai. E Santa Efigênia é a padroeira.

— É? Uau! E o José?

— Ui...! José é confusão.

— Ei! E eu, Maria?

— Uai! O João é o máximo da confusão!...

— Ê, Maria...!

— Ê, João...!


Publicado por Vitor Pereira Jr em 09/09/2017 às 20h18
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
24/08/2017 09h30
Um texto sem as vogais A, I, O, e U

     Denner de Rezende Scherer é de Verê. Ele é gerente de redes, crê em preces de fé desde neném, veste Lee bege de nerd, serve-se de crepe, e bebe tererê. De mês em mês ele elege escrever entre três e sete teses em rés de web: é remetente de teses célebres em “www.lente.net”. Percebe-se: entre escrever e ler, Denner prefere veementemente escrever. Cem vezes escrever. É mestre em escrever, e tem sede de escrever bem. E ele mede se escreve bem, em empreender reescrever ´té dez vezes, ´té escrever bem. Ele escreve: “Lembre-se, ser mestre nem sempre é ser excelente: é entender ter deveres e meter-se de frente, sem temer nem tremer. E pense, nem sempre ele, mestre, sente receber este presente: de ler-se. Ler depende de gente de mente perene e leve. E de repente, em vez de pretender ser mestre em escrever, prefere-se preceder-se, e, sem perder esse leme, se tente ler bem. Pense brevemente, e se dê este presente decente: Ler! Ler é crescer, cerne de semente em verdes estepes.” Excelente. É sem precedentes este célebre Denner Scherer.



Publicado por Vitor Pereira Jr em 24/08/2017 às 09h30
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
07/08/2017 20h06
A primeira publicação

Saudações, amigos leitores e escritores!

Hoje eu quero contar sobre como embarquei na carreira de escritor publicado. Como muitos de nós escritores, escrevia desde criança, compartilhando poemas e estórias com a família e amigos da escola. Em 2006, guardava eu uma penca de poemas e contos só comigo mesmo, até que resolvi publicá-los na internet sem qualquer compromisso, apenas para continuar compartilhando poemas e estórias, agora no meio digital (Era 2006, e para alguém nascido em 1980, isso era uma novidade para mim).

E eis que um belo dia, um editor entra em contato, comenta que gostou de um de meus contos de terror, “Natal em Allanshire”, e me convida para publicá-lo em uma coletânea. O editor era ninguém menos que o escritor Edson Rossatto, da Andross editora, e a antologia de terror era nada menos que a antologia Noctâmbulos. Surpreso e animado pelo convite, fui tirando minhas dúvidas e me envolvendo com o projeto, tudo novidade para mim naquela época (E que conste que lá nos idos anos de 2007, o contato com os escritores e as atualizações sobre a organização do livro se davam pelo bom e velho Orkut).

Ainda perplexo com o processo, só me dei conta de que um filho literário havia nascido quando peguei o livro em mãos e o folheei. E lá estava ele, meu conto, publicado em um livro impresso!! Qualquer um que tem seu conto impresso sabe do que estou falando. E para cada vez que outro filho nasce, a emoção é a mesma. De lá para cá vieram outras parcerias com a Andross em vários outros contos e poesias publicados em suas antologias: Mentes Inquietas, Sonhos Lúcidos, O Segredo da Crisálida II, Livre para Voar, Xeque-Mate, e o primeiro romance fix-up da Andross editora e classificado como um dos melhores livros de terror de 2015 pela Biblioteca do Terror, o King Edgar Hotel (Edson Rossato mal sabia que enquanto ele revelava ao vivo para todos os escritores da edição do Livros em Pauta de 2014 sobre o projeto recém-saído de uma tal antologia toda vivida em um mesmo hotel, lá estava eu, sentado logo à frente dele naquela sala, já decidindo que o último conto do King Edgar Hotel tinha que ser meu! E lá mesmo surgiu a ideia do último conto do King Edgar Hotel, bem na frente do editor!).

Hoje, tanto com a Andross quanto em parcerias com outras editoras, tenho 18 contos e 27 poemas em publicações impressas. E sei que muito tenho ainda a aprender, conhecer, e, claro, escrever.

E foi assim que, graças ao convite inicial do escritor e editor Edson Rossato (que lá estava lendo meu conto pela internet certa feita em 2007) e à Andross, tive a oportunidade de conhecer muitos escritores e editores, trocar ideias, receber e dar incentivos a escrever e publicar, e, principalmente, a oportunidade de sempre me aprimorar. Por isso, se sua imaginação o chama a contar estórias, não recuse o chamado. Trilhe sua jornada, aprenda com os companheiros de viagem, e mãos à obra!

 

P.S.

E para recordar os exatos dez anos em que comecei a publicar em livros impressos, aqui está o link para o projeto da antologia de terror Noctâmbulos, onde jazem contos sobrenaturais, de suspense e de terror!http://www.andross.com.br/livro_publicado.php?evto=108


Publicado por Vitor Pereira Jr em 07/08/2017 às 20h06
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
02/08/2017 20h01
Para ler como um escritor

 

Para ler como um escritor – Um guia para quem gosta de livros e para quem quer escrevê-los – de Francine Prose, escritora e professora de literatura em Harvard por 20 anos, e com acréscimos à edição brasileira de Italo Moriconi – é a dica para um excelente mergulho no mundo da literatura universal.

 

De um jeito didático e apaixonado, Prose nos apresenta todos os aspectos da escrita por meio do método da “leitura atenta” (close reading, no original), onde o leitor adquire a competência de se atentar profundamente a todos os aspectos do texto literário, desde a escolha das palavras até o estilo empregado no texto, a fim de entender cada escolha do autor. Prose começa detalhando sobre a escolha das palavras, e vai se aprofundando nas frases, parágrafos, narração, até chegar ao personagem, diálogo, detalhes nas narrativas, e gesto. Prose também reserva um capítulo saboroso sobre aprender com Tchekhov.

 

As dicas literárias de Prose estimulam o escritor a como decidir sobre a melhor escolha para cada palavra de uma frase, sobre como cada frase deve ter a inteligibilidade e a graça de impressionar o leitor, prendendo-o ao ritmo da narrativa, sobre o efeito de uma quebra de parágrafo, dentre muitos outros preciosos ensinamentos.

 

Esmiuçando vários trechos de narrativas clássicas da literatura e com uma proposta de autores preferidos para se ler e estudar IMEDIATAMENTE, fica impossível deixar de ter em casa uma coleção de Isaac Babel, Ernest Hemingway, Franz Kafka, Katherine Mansfield, Virginia Woolf, Anton Tchechov, entre tantos outros.

 

Para ler como um escritor é uma verdadeira aula impressa de literatura para se guardar na primeira prateleira da sua estante e visitá-la muitas e muitas vezes.  


Publicado por Vitor Pereira Jr em 02/08/2017 às 20h01
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 2 de 3 1 2 3 [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras