Vitor Pereira Jr
Contos, Crônicas e Versos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Meu Diário
25/07/2017 17h46
Dia do Escritor

     Feliz Dia Nacional do Escritor a todos os amantes da arte literária! Parabéns a todos que consagram a cultura em nosso mundo!

     E se seus personagens criassem vida? Como sua vida seria?

     Aconteceu com Bruno em "O admirável mundo de Bruno"

     http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/visualizar.php?idt=4546380

     Obrigado pelas visitas e boas leituras!!

     Vitor Perteira Jr.


Publicado por Vitor Pereira Jr em 25/07/2017 às 17h46
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
18/07/2017 19h59
Cativar

     Olá. Gostaria de começar o diário do site com um texto sobre um dos primeiros livros que li na infância: “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, de 1943. Creio que a palavra mais marcante do livro seja CATIVAR, e é sobre ela que quero abrir este diário.

     Qualquer pessoa que lê a palavra CATIVAR, talvez se recorde que a leu pela primeira vez na cena em que o Pequeno Príncipe se encontra com a raposa. No original, o escritor francês usa o termo “apprivoiser”, que significa literalmente “privar”, “tornar algo privado, particular”, ao contrário de tornar algo público, comum: “Serás para mim único no mundo”. Nesse sentido, temos que dar os parabéns não só para o autor mas para a tradução do francês para o português, porque CATIVAR também tem este significado, e muito mais. CATIVAR vem do latim captivus, que significa “apreendido”. Voltarei à raiz de captivus mais adiante. Assim temos a palavra Cativeiro, o lugar onde fica o apreendido, e o verbo capturar, que significa apreender. Escolhi a expressão APREENDER de propósito, porque não só a utilizamos com o sentido de fazer algo ou alguém prisioneiro ou detido, mas também no sentido de assimilar um conhecimento, captar. APREENDER e APRENDER têm a mesma origem, “pegar para si”, neste caso, o conhecimento. E então CATIVAR é APREENDER o outro, é APRENDER com o outro, é CONHECER o outro. CATIVAR, assim como o termo francês “apprivoiser” também tem o sinônimo de DOMESTICAR. Mais uma vez, é preciso compreender que a origem da palavra DOMESTICAR significa “trazer para casa”. CATIVAR é saber trazer o outro para sua casa, para o seu convívio. O que nos leva a mais uma expressão utilizada por Saint-Exupéry para explicar o que significa CATIVAR. A raposa responde ao Pequeno Príncipe que CATIVAR é “criar laços”. No original: “créer des liens”. “Liens” quer dizer elo, o elo que une a corrente. CATIVAR, portanto, é criar um ELO com a pessoa, é se prender a ela, como os elos de uma corrente, é estar preso a ela, laçado a ela, apreendido, LIGADO, CONECTADO. Mas não basta laçar o outro. É estar ao mesmo tempo laçado pelo outro, é estar ENTRELAÇADO. Para este ato de um laçar o outro é que temos a palavra RELACIONAR. E quando se está relacionado, preso ao outro, não se está solto. CATIVAR é também não soltar o laço, não perder a conexão. Por isso que a raposa diz: “Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro”. A palavra NECESSIDADE significa “Não ceder”. Então CATIVAR é um processo até mesmo complexo. Primeiro, é um ato de trazer a pessoa para si ao mesmo tempo em que se é levado por ela também. Este primeiro passo é se entrelaçar. Agora temos uma segunda etapa, é preciso manter a ligação, não deixar este laço se romper. Para o primeiro passo, o autor revela que é preciso ter paciência. Para o segundo passo é preciso ter responsabilidade: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. Mas paciência e responsabilidade são habilidades a serem desenvolvidas.

     A palavra paciência tem a mesma raiz da palavra paixão, e significa “saber suportar a carga, saber sofrer”. Isto nos remete à Paixão de Cristo, quando o Cristo carrega sua cruz, carrega o sofrimento do mundo. Clésio Tapety não se esqueceu deste detalhe quando compôs a famosa música religiosa Cativar. Cativar é: “também carregar um pouquinho da dor que alguém tem que levar”, diz a música. CATIVAR envolve PACIÊNCIA: “Foi o tempo que perdeste com tua rosa que a fez tão importante”. CATIVAR é IMPORTAR-SE. Importar significa “carregar para dentro”. Importar-se com alguém é escolher carregar a pessoa dentro de si. CATIVAR envolve saber PERDER. É preciso entender que a palavra perder, assim como perdoar, vem do latim perdare, que significa “dar-se completamente, dar sem reter para si”. Assim, temos a dialética de cativar, o perder/importar-se: ao mesmo tempo em que me entrego para o outro eu me preencho com o outro. Ao mesmo tempo em que o outro se entrega para mim ele é preenchido por mim.

     Já a palavra responsável tem o mesmo sentido de responder, e significa “comprometer-se de volta”. CATIVAR envolve COMPROMISSO. Não pode ser uma relação egoísta. É saber comprometer-se com o outro e saber receber o compromisso de volta. CATIVAR é RECEBER, é ACOLHER. Receber e acolher têm o sentido de “saber pegar para si”. Então CATIVAR se torna uma questão de aprender a desenvolver uma capacidade específica. É uma questão de aprender uma prática específica. Para tanto Saint-Exupéry se utilizou da palavra rito: “É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias”, “A hora de preparar meu coração”, diz a raposa.

     Aí voltamos para a raiz etimológica de CATIVAR. O termo captivus vem do sânscrito kapati, que significa pegar, apreender, ser capaz de algo. Sim, ser CAPAZ também vem de kapati. Por isso a palavra APREENDER tem tanto o sentido de prender algo para si quanto pode ser a capacidade de se conhecer algo. Nesse sentido, mais uma vez Saint-Exupéry nos impressiona com mais um exemplo do que é cativar. Cativar é PERCEBER o outro: “Conhecerei o barulho de passos que será diferente dos outros”. A palavra perceber vem do latim percipere, que significa apreender completamente, apreender com todos os sentidos humanos. A raposa escuta um barulho que é diferente de todos os outros. Ela PERCEBE a diferença. Ela está sensível ao outro. Este é o segredo final da raposa: “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”. Perceber é ver com o coração. CATIVAR é VER COM O CORAÇÃO. É um ato de preparar o coração para este compromisso. E isto requer também uma boa dose de CORAGEM. Coragem quer dizer “agir com a força do coração”.

     Conclusão, CATIVAR É A CAPACIDADE DE APRENDER A PERCEBER O OUTRO COM A FORÇA DO CORAÇÃO, TRAZENDO-O PARA SI, ENTRELAÇANDO-SE, COM PACIÊNCIA E RESPONSABILIDADE.

     Obrigado pela lição, Saint-Exupéry.


Publicado por Vitor Pereira Jr em 18/07/2017 às 19h59
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 5 de 5 1 2 3 4 5 [«anterior]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras