Vitor Pereira Jr
Contos, Crônicas e Versos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Jurassic World Reino Ameaçado – Crítica com SPOILERS

       Jurassic World: Reino Ameaçado (2018) é o quinto filme da franquia Jurassic Park, e, ao mesmo tempo em que o público parece não enjoar de ver robôs se digladiando na franquia Transformers, o público ainda não está enjoado de ver dinossauros geneticamente modificados aterrorizando a tela.
       Assisti ao filme e saí da sala de cinema um tanto chateado com a cara de pau dos roteiristas em imaginarem, não que dinossauros possam andar entre nós, mas o quanto eles acham que o público é ingênuo. Você nunca verá vilões tão burros e irresponsáveis e heróis piores ainda neste filme.
       Vamos acompanhar as decisões desastrosas dos personagens.
       Comecemos com os vilões. Imagine que você é uma empresa antiética de intenções bélicas com tecnologia para mesclar genes e de clonar até mesmo um ser humano, mas que, ao invés de escolher justamente fabricar um super-humano modificado e obediente para uso na espionagem, ciência, e na guerra, você escolhe que é melhor fabricar dinossauros. Ok, é um filme de dinossauros, mas mesmo nesse universo, os roteiristas acham mesmo que generais escolheriam empregar esses animais em guerras? Seria como você escolher usar um elefante ou um leão para lutar contra drones, tanques, mísseis, bombas.  Agora imagine que, mesmo que um dinossauro fosse útil como armamento, você ainda é o único vilão que detém a tecnologia de manipulação genética desses dinossauros. E o que você faz? Isso mesmo, você escolhe vender seus dinossauros únicos e patenteados para vilões que poderão aprender a clonar sua tecnologia e vender eles mesmos novos dinossauros! Essa escolha é tão burra quanto parece, e, para executá-la, você precisa de vilões ainda mais burros. Logo na primeira cena do filme, a equipe é tão burra e pouco furtiva que simplesmente abre as comportas que liberam o dinossauro marinho gigante, o mosassauro, para o mundo exterior. E mesmo o mais espertinho dos capangas fica com o papel bem convenientemente estúpido de abrir a jaula que prende o dinossauro vilão da trama.
       Agora vamos aos heróis. Logo de cara, vemos a personagem Claire transformada em uma ridícula protetora ecológica de dinossauros, mendigando doações e apoio no congresso para proteger as mesmas aberrações antiéticas que ela ajudou a cuidar e a comercializar, e que tem a ingenuidade de acreditar que a mesma empresa que sempre quis lucrar com os dinossauros agora precisa de ajuda para salvá-los. Por pura conveniência de roteiro, ela ajuda os vilões, consegue escapar da morte certa após ter sido usada, reencontra os vilões, e se infiltra no comboio deles antes que eles fujam só para continuar participando do filme. Os heróis sequer evitam que alguns vilões conseguissem o que queriam, deixando que vários compradores de dinossauros fugissem com espécies que seriam escravizadas, o que era tudo o que os heróis queriam evitar.
       Somado a isso, chegamos à conclusão mais burra, irresponsável e inútil de todos os filmes da franquia. Os heróis decidem, vejam só, que a melhor forma de proteger os inocentes dinossauros que ainda não haviam sido vendidos é não os deixar morrer, e, para isso, os soltam na cidade para que eles causem a morte de centenas de pessoas inocente! É isso mesmo! Os caras soltaram insanamente vários predadores, incluindo um tiranossauro e um velociraptor! Na cidade! O filme chega a mostar, com certo sadismo e cara de pau, o velociraptor olhando um subúrbio que ele irá invadir e estraçalhar e o tiranossauro invadindo um zoológico. Como bônus, aquele mosassauro, o único dinossauro irresponsavelmente liberado pelos vilões, está abocanhando surfistas inocentes. O filme termina com os heróis mais irresponsáveis de todas as eras geológicas, dirigindo por uma estrada, contentes! E, o que é pior, impunes.
       Agora imagine o que deve ter acontecido na cidade após isso, não só com as crianças e idosos que morrerão devorados pelas feras, já que os heróis não se importaram em colocar humanos inocentes em risco, mas com os benditos dinossauros que eles quiseram proteger tão ardentemente durante o filme inteiro. Nem isso eles irão conseguir. Esses dinossauros seriam atacados e mortos em pouco tempo pelas forças armadas em reação óbvia a tanto estrago com vidas humanas. Ótimo plano, heróis!
       Mas, esperem. E para você que sabia que havia uma cena pós-crédito e resolve ficar até o último segundo, ficará ainda mais irado ao ver apenas a cena tão inútil de um casal de pterodátilos fazendo um ninho em um prédio. Ou seja, imagina a cagada ecológica que isso vai dar. Espécies exóticas introduzidas em um habitat sem predadores naturais desestabilizando a natureza e causando a morte das espécies nativas. Mas eles não queriam salvar a natureza e proteger os animais? Mais uma vez, que ótimo plano, heróis!


Vitor Pereira Jr
Enviado por Vitor Pereira Jr em 16/06/2018
Alterado em 16/06/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras